O significado de Rinite é inflamação no nariz, podendo ter várias causas, como alergia, infecção, irritação… Mas normalmente, o termo é utilizado para descrever a Rinite Alérgica.
A Rinite Alérgica ocorre em aproximadamente 40% da população com origem genética importante, ou seja, se você tem rinite, seu filho tem 40% de chance de ter também, então boa sorte!

Exite uma grande associação (40%) com outras alergias como Asma ou Chiado no Peito recorrente.

Saiba mais no vídeo abaixo:

Ela pode ser separada de forma genérica em 2 tipos:

  1. Contínua: sintomas ocorrem com muita frequência diariamente ou semanalmente. Eles precisam de tratamento diário.
  2. Intermitente: sintomas ocorrem no máximo 1x ao mês. Seu tratamento ocorre apenas nas crises.

Os sintomas são clássicos, porém muito parecidos com o resfriado:

  • Coriza ou nariz escorrendo aguinha;
  • Obstrução, roncos ou respiração bucal;
  • Espirros;
  • Tosse seca ou aparentemente com secreção, mas nunca visível (verde ou amarelada);
  • Coceira na garganta.

Raramente ocorre em menores de 6 meses de vida, pois para o desenvolvimento das alergias, é necessário um contato prévio ou sensibilização ao causador de alergias.

Como prevenir

Como pelo menos 40% dos casos são genéticos, esses casos não são passíveis de prevenção, mas temos meios de reduzir as crises e alergia.

  1. Vida normal: crianças devem ser crianças: brincar, rolar na terra, grama e areia, sujar a mão, colocar na boca, ter animais de estimação e tudo mais. Isso reduz muito a incidência de alergia após 6 anos.
  2. Prestar atenção aos fatores que desencadeiam as crises e evitá-los.
  3. Evitar cigarro na gravidez e fumo passivo após o nascimento.
  4. Evitar contato com ácaros (tapete, cortina, bichos de pelúcia e etc).
  5. Evitar contato com mofo (utilize uma solução de água com vinagre ou cândida/água sanitária na parede para reduzir o mofo).
  6. Encapar colchão e travesseiros – admito que é horrível de dormir em cima e geralmente recomendo aos casos graves.
  7. Usar edredom no lugar de cobertas/mantas que soltam pelo e acumulam poeira.
  8. Utilize aspirador de pó ou pano úmido para limpeza da casa. Nunca use vassoura.
  9. Evite contato com cheiros fortes, como perfumes e produtos de limpeza.
  10. Evite manter a criança próximo à construções ou reformas, tente deixa-lá em casa de parentes ou amigos.

Complicações

  • Uso excessivo de medicações ou antibióticos, caso não seja tratada correta e preventivamente;
  • Sinusites de repetição;
  • Infecções de ouvido;
  • Infecções de garganta nos respiradores bucais;
  • Hipertrofia de amígdala e adenóide ou carne esponjosas.

Tratamento

  1. Evitar o que causa alergia, obviamente.
  2. Higiene nasal com soro fisiológico (clique aqui pra saber mais)
  3. Antialérgicos que eu gosto e recomendo:
    •  Usados geralmente em quadros intermitentes, apenas nas crises;
    • Dexclorfeniramina ou Polaramine;
    • Fexofenadina ou  Allegra;
    • Loratadina ou Claritin;
    • Desloratadina ou Esalerg;
    • Cetirizina.
  4. Antileucotrieno
    • Mais fraco e geralmente usado em quem tem rinite e leve chiado no peito;
    • Não se aplica à imunidade;
    • Piemonte, Montelair ou Montelucaste.
  5. Spray nasal
    • Mais eficazes e usado nos quadros frequentes, seja por obstrução, coriza, espirros, entre outros. Eu uso em quem tem mais de uma semana de sintomas ao mês;
    • Menores de 2 anos;
      • Rilan spray nasal.
    • Maiores de 2 anos;
      • Nasonex.
      • Budesonida ou Noex ou Busonid (encontrado na farmácia popular).

O objetivo do tratamento é reduzir as crises e permitir vida completamente normal à criança, podendo brincar com água, dormindo bem a noite…

Abraços

Dr Christian Helfstein – Pediatra

CRM 119.947 – Limeira/SP