Clique aqui para saber as Novidades

Medo muito comum da maioria dos Pais e pesadelo para outros, as assaduras são extremamente comuns. Dificilmente alguma criança passa primeiro ano de vida sem uma assadura mais importante. Como Trocar Fraldas - Dicas aos IniciantesSaiba mais clicando na figura abaixo.

Todos sabemos como ela é: uma lesão avermelhada que ocorre na região da fralda e aparece de uma hora para outra.

Apesar de toda a FAMA que ela tem e do MEDO gerado nos Pais, a Dermatite de Fralda é uma doença de tratamento extremamente fácil e de recorrência baixa na maioria dos casos, desde que tomados os devidos cuidados.

Estudos demonstram que o pico de incidência ocorre entre 9-12 meses e a ocorrência variando de 7 – 37% na população infantil.

Existem diversos fatores de proteção e de risco, mas basicamente os principais são pomadas de assadura, fraldas de uso diurno ou noturno e maneira como trocamos fraldas.

O que é Assadura ?

Assadura

Dermatite de Fralda, Assadura ou Dermatite Amoniacal é uma lesão de pele da região da fralda e que seja secundária à utilização da fralda, ou seja, não ocorreria se a criança não estivesse de fralda. Geralmente são avermelhadas e concentradas na região peri-orificial, próximo ao ânus e à uretra e nas regiões de dobra.

É considerada uma dermatite de contato por irritantes, seja o xixi, cocô ou outras substâncias da fralda e lenços umedecidos.

As lesões podem variar de avermelhadas, vesículas, bolhas, fissuras e erosões

Tem Como Evitar?

Sim, basicamente devemos a região da fralda LIMPA E SECA, seguindo as regras a seguir:

  • trocar as fraldas de xixi com a frequência correta (depende de cada fralda)
  • trocar as fraldas de cocô rapidamente
  • utilizar fraldas com melhor absorção
  • trocar as fraldas corretamente
  • utilizar mecanismos de proteção da pele do Bebê

Qual é a Causa ?

Assadura

Ela é causada basicamente pela irritação com consequente lesão da pele que pode ser profunda, inclusive gerando sangramentos, causado pelo contato prolongado de urina e fezes (e todos os seus irritantes) com a pele do Bebê.

A base de todo o problema é o aumento da umidade na região coberta pela fralda levando a uma reação em cadeia, com o aumento da penetração de substâncias irritantes, possibilitando o contato de amônia liberada pelas bactérias da pele, e a mistura de fezes e urina nessa pele irritada leva a liberação de substâncias alcalinas, piorando a situação.

Isso pode ocorrer nas seguintes situações:

  • demora na troca de fralda, independente do conteúdo
  • fralda de má qualidade (não absorve corretamente aumentando o contato da pele com irritantes)
  • uso frequente de lenços umedecidos
  • urina ácida, geralmente causada pela ingesta de alimentos ácidos em excesso como suco de laranja (mais de 200 ml/dia)
  • irritação da gengiva ou nascimento dos dentes, pois geram alterações nas fezes que ficam mais alcalinas, em maior quantidade (perceptível pela cor verde/cinza escuro e pelo odor muito forte)
  • diarreia
  • uso de antibióticos

Existe algum fator de risco?

Sim, a deficiência de zinco e as imunodeficiências estão relacionados a Dermatite de Fralda mais frequente.

Sexo, raça ou qualquer outro fator não está relacionado a aumento da frequência.

Associação à Micose

Existe uma forte associação (mais de 80%) entre a dermatite de fralda e infecção por Candida Albicans, fungo que pode colonizar (viver) nosso corpo sem gerar infecção, principalmente no intestino.

Micose

Alias, a Candida Albicans é o fungo que causa o “temido” sapinho nos bebês menores de 1 ano e quase sempre que a criança tem sapinho, na semana seguinte aparecem bolinhas nas nádegas.

Nesse caso pode ser chamada de Monilíase ou Candidíase de Fralda, Micose de Fralda ou Dermatite de Fralda (pela alta associação)

Na Monilíase ocorre o aparecimento das clássicas lesões satélites, que nada mais são que bolinhas que ocorrem ao lado da região mais avermelhada, crescendo continuamente até se juntarem, aumentando em muito a extensão e profundidade da lesões.

Pode Ser Outra Coisa ?

Sim, existem outras doenças que cursam com lesões avermelhadas na região da fralda.

  • Micose não causada por C. Albicans, caracterizada por lesão avermelhada com o centro discretamente descamativo e esbranquiçado
  • Lesões de Calor, geralmente ocorrem em crianças maiores na região sacral (cofrinho) ou na lateral da fralda, e nas menores nas dobras e região do elástico da fralda.
  • Infecções Bacterianas: afetam basicamente a região ao
    Alergia d

    redor do anos com muita inflamação, vermelhidão, dor e as vezes saída de pús.

  • Alergia a Fralda, pode ocorrer em qualquer local, mas a principal característica é a ausência de resposta ao tratamento da Dermatite de Fralda comum, pode ocorrer no momento da troca de marca de fralda ou mesmo com uma fralda com meses de uso. Poupa as dobras e a região interglútea
  • Dermatite de Contato: uso de sabonetes, pomadas ou lenços umedecidos que a criança é alérgica, idem a alergia de fralda, que é um tipo de dermatite de contato também.
  • Deficiência de Biotina; dermatite de fralda associada a eczema de pele, alopécia total (queda de cabelo), dermatite seborreica e letargia
  • Escabiose (sarna): geralmente nodular na região de fralda e acometendo outras áreas do corpo e contactantes.
  • Outras Infecções: sífilis, catapora e herpes, apesar das lesões serem bem diferentes.
  • Além dos maus tratos que podem causar qualquer tipo de lesão.

Tratamento

1 – Medicamentoso

Pomadas de Proteção: basicamente as baseadas em óxido de zinco como Hipoglós, mas pode ser dexpantenol como bepantol (eu prefiro, pois odiava limpar o Hipoglós)

Anti-fúngicos: usados no caso de monilíase associada (mais de 80-90%)

  • Tópicos: pomadas de nistatina, derivados imidazólicos (miconazol, clotrimazol e etc). Existe uma tendência no Brasil ao uso de derivados imidazólicos como primeira opção, mas o perfil de resistência da Candida albicans no Brasil permite o uso de Nistatina como primeira opção. Utilizar a cada troca de fralda ou pelo menos 4x/dia por até 14 dias. As pomadas mais comuns são a associação de nistatina com óxido de zinco (dermodex tratamento) e miconazol genital ou pomada.
  • Orais: raramente utilizados, somente no caso de monilíase oral concomitante ou na necessidade de descolonização intestinal por infecções recorrente. Pode ser nistatina ou derivados imidazólicos

Corticóides Tópicos: nos casos de lesão mais profunda

  • Hidrocortisona 1%: passar 2x/dia por 2 – 5 dias
  • Não usar costicóides mais potentes de rotina, como dexametasona ou betametasona

As pomadas de assadura e de anti-fúngico podem ser misturadas e passadas juntas por pelo menos 10-14 dias para evitar a recorrência. Você cria a sua própria Dermodex tratamento caseira!!

2 – Não medicamentoso

Sempre visando deixar a região da fralda mais seca:

  • Trocas de fralda mais frequentes
  • Fralda de melhor qualidade
  • Banho de sol no local
  • Evitar lenço umedecido

Dr. Christian Helfstein

CRM/SP 119.947

Textos Relacionados

Novidades para Você!FebreHérnia UmbilicalHidroceleRefluxo GastroesofágicoDores na Criança e BebêComo Trocar Fraldas - Dicas aos IniciantesO Sono Normal das CriançasPrimeira Consulta com Pediatra - PuericulturaConsulta de 1 Mês com Pediatra - PuericulturaConsulta de 2 Meses com Pediatra - PuericulturaConsulta de 3 Meses com Pediatra - Puericultura